quarta-feira, 9 de novembro de 2011

As coisas de lá


As cousas de lá mui me encantavam.
Via a lindeza das vidas que cantavam a liberdade.
Liberdade que não conhecia.
Liberdade da qual apenas ouvia dizer.
Daqui fantasiava por causa das luzes de lá.
Lá que de longe apenas via.
Lá que disseram ser perigoso.
Inóspito, inseguro, rigoroso.
Mas as luzes de lá, ainda me encantavam.
Elas pareciam me chamar.
Mas ir até lá, era tão impossível quanto um alguém amar.
Elas pareciam algum segredo esconder.
Algo tão místico como donde vir nascer.
Mas o tudo teve por finalidade fazer contestar ao que me parecia nada.
Antes o tudo era uma torre.
Agora vivo a liberdade, uma prosa maravilhada.
Um amor, minha origem e Minh’ alma iluminada.

Por Dias, Anderson

Um comentário:

Antonio Batalha disse...

É para mim uma grande alegria, acessar ao seu blog e ver o que escreve, continue a ser uma benção, e a escrever sempre mensagens de amor e esperança e de edificação, aproveito a convidar para fazer parte de meus amigos virtuais na Verdade Que Liberta. Mas queria pedir-lhe que siga de forma a eu poder seguir também seu blog. Deixo um faterno abraço e um desejo de um Ano Novo cheio de graça amor e paz, e que se possa lembrar sempre que o próximo precisa de si.