domingo, 20 de outubro de 2013

Pareço Atrasado

Nos vemos numa sociedade apresada, imediatista e que cobra ações e resultados na velocidade da luz! E mais, à luz da excelência! Ora, nos vemos então na condição de nos mostramos correspondentes a esse apelo social coercitivo – implícito - todavia, percorremos a existência tendendo a superioridade em qualquer campo que seja. Daí vira uma necessidade, ora para se mostrar superior, ora para se defender de tanta superioridade.
PAREÇO ATRASADO

 “Registro os meus momentos, todos, dentro do meu espaço de consciência. Bem meço as intenções, pois sei que cada estímulo no ambiente gera ação e consequência. Diligência trago até mesmo dentro dos meus sapatos! E dos jovens mais sóbrios daqui, você não é o único que observa os fatos! Não!
Pareço atrasado, mas já mudei de endereço. Eu não vivo de passado. Você é bom Don, fala bem e nem por isso sua vida eu tenho pesquisado. E se acha que sua tática de algum modo tem me barrado! Você nem sabe que “noutro plano” têm os que jogam do meu lado. Desistência não me ameaça, dela não me sinto caça. O bem e o mal existem em mim como em todos de nossa raça, pouco após o estado de erraticidade.
Sei o peso de uma taça e não é isso que me faz superior na sociedade sem graça. Comparsa, pareço atrasado, mas só pareço!”

Texto escrito por Anderson Dias em julho de 2012

domingo, 13 de outubro de 2013

Um Pedido de Paz

Um pedido de paz para uma sociedade enferma, sendo ela resultante daquilo que próprio fabrica.

“Aquilo que sinto, que vejo, pressinto, despreza a reza, um mundo mais lindo, mais terno. Eu gasto cadernos imaginando planos eternos. Momentos incertos que vivo, que sofro. Vidas que vão num sopro. Não é só playboy...vai pede paz! Aqui favelado também pede paz! Vai que cai no cais! Quantos ais? Tomais mais uma dose de veneno! Veneno que mata demais!

Ademais, tais erros cruciais garantem os retornos dos novos que nascem mais velhos e os velhos que morrem novos demais. Respostas? Como produtos sociais, eliciam medos fora dos padrões normais. Evidências? Demências! Doenças mentais! Fatos “surreais”. Aqui jaz, fôlego de vida! Em memória, um bom rapaz! Paz!”

Texto escrito por Anderson Dias em outubro de 2012

domingo, 22 de setembro de 2013

domingo, 1 de setembro de 2013

Sua História


Quando eu entrar na sua história,
Eu não serei apenas um trecho.
Quando eu entrar na sua história,
Eu não serei apenas um ou dois parágrafos.
Quando eu entrar na sua história,
Eu não serei uma parte ou alguns capítulos.
Quando eu entrar na história,
Eu serei sua história inteira.
Quando eu entrar na sua história,
Eu serei o seu começo, o seu meio e o seu fim.


Por Anderson Dias

domingo, 25 de agosto de 2013

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Sobre As Linhas


Quero deixar voar o pássaro
Que carrega nossas histórias de outrora.
Em breve o mensageiro vai chegar
Com um livro branco por inteiro.
Nossas mãos vão ganhar dos céus,
Maestria, pincéis e tinteiros.
E como num dom de poeta,
A mais bela história, iremos compor,
Na inspiração de duas almas.
Sobre as linhas do amor.

Por Anderson Dias

terça-feira, 13 de agosto de 2013

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Ela Em Mim


Eu não consigo deixar de pensar em você.
Você não para de passear pela minha mente.
Anda leve, solta, linda e sorridente.
Anda colorindo meu interior de amor.
Passeia por onde quer e me acalma por onde for.
Descansa no meu peito, faz do meu coração um cobertor.
Só pra te aquecer e te querer mais.
Serei a tua sala pra te acomodar.
Não te deixar ir, esquecer a hora e te beijar.
Fazer de mim a tua casa onde possas descansar.
Então deite e me conte uma história de amor.


Por Anderson Dias

sábado, 27 de julho de 2013

Viva a Vida


Eu não tenho tempo pra maré ruim.
Quero fazer a vida, isso é bom pra mim.
Eu bebo vitamina, gosto daquela mina.
Ando de skate, gosto de futebol, do Sol.
Quero fazer mais algumas tatuagens.
Viver, viajar, eu tô fazendo a bagagem.

Por Anderson Dias

sexta-feira, 26 de julho de 2013

A Perfeição



Tu não fazes menção do quão foi bom poder abraçar-te numa noite fria.
Não fazes ideia de como foi bom sentir teu calor e poder te acarinhar.
Ter o meu rosto aquecido por estar junto ao seu, tão belo!
Não tens noção de quão foi deleitoso o desbravar dos meus dedos nos teus elegantes cabelos.
Mas sabes que é mulher vistosa, aprazível, firme, apropriada de si, mulher de prumo.
Tão logo assumo que meu íntimo veio a agitar-se como ondas que intentas tocar a praia.
Tão logo senti comichão, qual não sentia há tempos, e que fez meu coração trepidar.
Fez-me bradar o grito por uma nova dose de ti numa noite fria.
Encantei-me com tamanha exuberância na forma de lindeza e refinamento.
E no meu pensamento a volição de que nossos olhos se cruzem novamente e que incida outra vez o momento de qualidade indescritível e inesquecível.
E no meu peito por ti, inquietou-se meu coração, e se for pra nomear-te que eu te nomeie perfeição.

Por Dias, Anderson

domingo, 14 de julho de 2013

domingo, 23 de junho de 2013

Sobre a Loucura



Andar-se-á sobre a loucura,
Da loucura irás regressar,
Com pesares,
Aprendizagens,

E um pouco de saudades de lá.

Por  Dias, Anderson

domingo, 2 de junho de 2013

"Eu sonhei...

...ensaiando a vida, quando acordei já estava encenando-a sem a possibilidade de voltar a cena."

Por Dias, Anderson

sábado, 1 de junho de 2013

Como Um Cadeado



  Eu quero encontrar as veredas da paz.
As aberturas da tranquilidade que não sinto mais.
Tudo, tudo parece tão pesado,
Mínimos detalhes como pesos acumulados,

De outras eras, muitas eras.
Eu que sempre levei as coisas no riso.
Os risos hoje não são tão presentes,
Nem mesmo entre os queridos entes.

Quando são agora cumprem simulacro.
As lágrimas desejam escorrer e correr
Mas como fortaleza, eu me lacro.
As dores não desaguam...

Não correm o meu rosto,
Não respingam o meu peito.
Não conto nada a ninguém,
Ser um cadeado é o meu pior defeito.


quinta-feira, 30 de maio de 2013

Ai Que Cena Feia

Ocasião que chateia se aloja como teia.
Brigas, intrigas, não adianta figa.
Ai que cena feia.
Chora o leite, salta a veia.

Ai que cena feia.
Ó mente que devaneia,
Só momentos bons,
De risos e harmonia como numa ceia.

Por Dias, Anderson

domingo, 26 de maio de 2013

De Amor

Eu caio de amor,
Eu me embriago de amor,
Eu faço amor,
No frio, no calor.
Eu quero teu amor,
Amor já não dá mais pra esperar.
Só quero amar você.
Amor quando vais voltar?

Por Dias, Anderson

" O poeta compõe a vida...

...e a vida é composta de alegria, sonhos, tristezas, angústias, conquistas, perdas, fraquezas, realizações, memórias, histórias, esquecimentos, desentendimentos, agradecimentos, abraços, beijos e apertos de mão, invenções, calma, raiva, amor, saudades, ódio, choro, lamentos, renovações, canções e murmurias. A vida é feita de poesia. A vida é feita de transformações."

Por Dias, Anderson

"Faço meus esforços...

...forço a vida aos afazeres, se não me entrego fácil a boemia e seus prazeres."

Por Dias, Anderson

domingo, 12 de maio de 2013

"Na vida sempre se transita...

...os dois lados da moeda. Um te mostra o quão a vida é prazerosa se tudo sucede da forma como mais agrada o ser. O outro te mostra o quão a dor e a angústia, advinda daquilo que não pôde nos agradar, pode tocar profundamente nossa existência. Contudo, acredito que ambos os lados da moeda, ensina valores e amadurece o ser para o mundo."

Por Dias, Anderson

domingo, 5 de maio de 2013

Me Faz




Quando ela vem não dá pra dizer não,
Ela vem para me domar, me possuir.
Assume minhas mãos e viaja,
Transita nas palavras, pra eu existir.

Só ela monta os meus sentidos,
Colore, decora o meu coração.
Forma minh’alma, e me faz...
Poesia, no néctar da inspiração.

Por Dias, Anderson 

sábado, 20 de abril de 2013

"Desbravar as linhas...

...da paixão, pode ser sorte, pode ser desilusão. Pode ser tudo, pode ser nada. Um sim, um não. Mas vale o gosto da incerteza que inquieta o coração."

Por Dias, Anderson

domingo, 7 de abril de 2013

Eu Namoro



Quero sempre que aconteça,
Que meu dia amanheça,
Com ela a minha volta.
Ela cura minha revolta.

Me faz mais, me solta.
Me dá toda liberdade,
De um navegante explorador.
Ela é um mar de amor.


Me permite navegar,
Sobre as tuas ondas.
Debaixo do seu calor,
Dissemina seu fervor.

Impressiona como deusa,
Uma musa, a beleza.
Ela vive a minha volta.
Eu namoro a natureza.

Por Dias, Anderson

domingo, 31 de março de 2013

"Deixe...

...os seus melhores sentimentos florescer(erem), uma nova e linda parte do seu ser irá brotar."

Por Dias, Anderson

"Harmonia...

...universal,
Homeostase Espiritual.
A paz não escolhe ritual,
No plano superior todo homem é igual."

Por Dias, Anderson

sábado, 30 de março de 2013

"Quando nos atemos...

...meramente as aparências, abortamos mais uma história de amor. O amor nasce na genuinidade, na simplicidade e na humildade das pessoas. Enquanto o status tiver mais relevância que o real significado do amor, continuaremos homicidas de possíveis vivências amorosas. Isso cabe para mim, para ti, para todos nós. Infelizmente!"

Por Dias, Anderson

Vela


Vela de acender,
Ela,
Vê-la ascender.

Por Dias Anderson

sexta-feira, 29 de março de 2013

"Alquimia...


... magia.
Alquimia ao verde.
Alquimia ao gato que mia.
Alquimia pra mim, pra ti.
Alquimia no amor.
Alquimia pra vida."

Por Dias, Anderson

Só Um Pouco



Deixe-me poetizar,
Deixe-me falar um pouco de mim.
Um pouco que diz muito.
Um pouco que assusta.

Um pouco que ajusta.
Um pouco que ofusca.
Um pouco que me faz
Real, louco, sonhador, compraz.


Deixe-me versar, conversar
Sobre a minha paz, minha cura.
Não vou deixar de te falar,
Eu sou o pouco que você procura.

Um pouco da sua estrutura.
Um pouco da sua vida presente e futura.
Deixe-me falar um pouco de mim.
Puro, seguro, maduro. Eu juro, eu sou assim!

Por Dias, Anderson

terça-feira, 19 de março de 2013

sexta-feira, 15 de março de 2013

A Dama e o Coração Vagabundo



Ela vem de lá,
Me ganha na simpatia.
Brinca com o meu olhar,
Não sei se devo chegar.
Fico entorpecido, meio perdido
Sem saber o que falar.
Não sei se ela é de compromisso,
Nem coragem eu tenho para perguntar.
Só reajo na bobice do meu sorriso,
Percebo que o que sinto,
É desgovernado, já não conduzo.
E das palavras que mais queria,
Eu me retraio, nem as uso.
Ela me olha, sorri,
Ela derruba meu mundo.
Me dá piripaque, um baque
Me deixa todo confuso.
Na incerteza afundo.
Mas estou certo,
De que ela é dama,
Que segura na mão
As rédeas de um coração vagabundo.

Por Dias, Anderson

segunda-feira, 4 de março de 2013

domingo, 6 de janeiro de 2013

Apolo



Faz-me assaz harmonioso
Com tua lira.
Faz-me curandeiro de mim
Com tua medicina.
Faz-me poeta
Com tua inspiração divina.
Faz-me verdadeiro
Com teu Sol que ilumina.

Por Dias, Anderson

"Mortificai-vos...

...sem medo de morrer, porque nessa vida se morre, para noutra vida nascer!"

Por Dias, Anderson