quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Coração vadio


Esse meu coração vadio...

Que permeia sobre os sentimentos alheios. Coração que mesmo desolado, não se cansa de doar-se. Entregar-se sem amor, mas entrega-se como se tivesse, e demonstra isso na perícia do calor. Vadio, usa sutilmente os macetes da paixão, ele gosta de deleitar-se sobre afagos e abraços fervorosos e animados, no entanto viciadores. És vadio viciado pelas veredas da libertinagem, vadio és, nas veias da auto-sabotagem.

Caminhas entre finos braços e lindos lábios, no entanto, vê seu destino, sem rumo, sem prumo, eterno andarilho da brasa, a cada apego do qual de fato não se apega, mais atrasa o fim duma bela fábula. Aquela que qualquer coração, por mais vadio que seja, apetece viver.

Mas vadio que é vadio, não aprende, sofre, geme quieto, mas não se permite deixar de querer o gosto, o molhado da boca alheia, a pele lisa, as pernas, o dorso, a suavidade que o pescoço expressa e o embaraçar dos cabelos. Isso tudo tem o poder hipnotizá-lo, porém não pense que tire sua ciência.

Chora vadio, choras porque sabes teu final. Todo esse seu glamour é o seu próprio veneno fatal, é seu conto mortal, brutal. Conheces bem o caminho para encantar uma dama, és perito no calor. Entretanto, senhor vadio coração, por ser assim tão vadio, terás o teu salário e por sua vez este será...

Morrerás só, em sua cama, morrerás só, não terás nenhuma dama. Irás morrer sem conhecer a essência e a delicadeza que carrega o amor.

Morra vadio, morra, por favor!

Por Dias, Anderson

10 comentários:

Velho Marujo disse...

Vadio...

Esplendido pensar quão inspiradora pode ser a vadiagem de um cão.

Esplendido! E ainda dizes-me que o "velho" mesmo que por um fio aproxima-se do "assaz"...

Não. É evidente que não!

Rafaelle Costa disse...

nossa, o blog tá lindo, anderson, adorei as imagens, os escritos, muito inspirados. beijos.

Cristiano Contreiras disse...

Muito bom seu blog mesmo, já virei leitor! você proporciona boas coisas.

pode me seguir, caso queira, no Apimentário. abs

Luiza F. Nunes disse...

Simplesmente perfeito!
Corações vadios fazem sofrer, mas no fim é ele mesmo que mais sofre.
Estou sem palavras para expressar
o que senti ao ler.
Ficou muito bom.
E eu gosto bastante das repetições, das ênfases e das descrições que vocÊ utiliza!

Grande beijo

Dário disse...

Vagabundo - tem origem no grego, que significa vaga - mundo. Um viajador. Para se conhecer verdadeiramente na sua existência o sujeito tem que realizar duas viagens; uma para dentro e outra para fora. Quando morre o viajador nasce algo novo.

Flor com Espinhos disse...

nossa..q coração lindoo...vaga pelo mundo, pode até sofrer, pode até chorar, pode até se magoar, mas experimenta, vivenciaa, vivee..coração humano...

Branca disse...

Não... não morra não pobre coração!! Conheço um absolutamente igual a vc! Bate aqui dentro do meu peito. Mas entre as dores que me causa ainda me faz feliz!!!

bjooo

Branca disse...

Lindo poema!! Posso posta-lo no meu blog Rosas Cálidas? Claro que com os devidos creditos!!!

bjinho

Branca disse...

Postado. Obrigada pela visita e pelas palavras tão lindas!!!

bjooo

Coisas que aprendi com a vida disse...

Achei esse texto uma resposta para uma questão minha. Incrível como a poesia nos toca de maneira tão singular! Ela se molda. Você escreve muito bem.