sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

As dores de um ser humano


Carrego conseqüências das escolhas que fiz, devido aos homens que minhas ações querem julgá-las. Trago em minhas malas o peso das mais errôneas interpretações, não notam quem em minhas ações evito ao máximo ferir corações alheios. Não vêem o evitar, apenas têm olhos atentos naquilo que sabem que vou errar.

E jogam na minha face às escolhas que fiz, portanto geram feridas, das quais doem ao pisar neste solo hostil. Carrego as dores comigo e é nesta hora que vejo o mundo e um milhão de inimigos, que por vezes clamam por perdão, mas não estão aptos a perdoarem.

Minhas feridas inflamam e não adianta fingir que não as tenho e de nada adianta encobri-las, esconde-las, pois doem ainda mais quando nelas coloco um pano. Deste modo eu as levo comigo sem ter o conhecimento de quando um anjo poderá sarar as feridas oriundas de minhas escolhas. Estas que fizeram pensarem que deixei de ser um ser humano.

Por Dias, Anderson

Um comentário:

Silvia Caroline disse...

Nossa também de identifiquei com seus escritos.
Acho que todo mundo tem o direito de errar e fazer várias escolhas ao longo da vida.
Hoje você pode recomeçar e quanto aos outros ainda não estão preparados.
Jogar na cara o erro é sempre mais fácil do que perdoar.
Ótimo fim de ano moço fotogênico.