terça-feira, 20 de abril de 2010

Deixa ela


Calma lá, deixa ela,
Chegar mais à cá.
Deixa ela jogar,
Deixa ela pensar,

Só ela sabe brincar,
Deixa ela piscar.
Deixa ela olhar,
E o cabelo jogar,

Seu pescoço não para,
De molhar,
Dá pra ver o suor,
Dimanar no colar,

Deixa a pista pra ela,
Ela sabe dançar.
Deixa se mostrar,
Assim, impetuosa.

Deixa ela gingar,
E se mostrar poderosa,
Deixa ela provar,
Que merece uma prosa.

Deixa eu beber algo,
Pra me recompor,
Vou deixar essa moça,
Os meus passos compor.

Eu não quero admitir,
Ela me abiscoitou
Deixa eu ir pra lá,
Meu coração super-saltou.

Minha pista é sua,
A paixão desde acolá,
Deixa eu ser o teu homem,
Que eu deixo a coisa rolar.

Deixa ela jogar!
Deixa ela jogar!

Por Dias, Anderson

4 comentários:

Rafaelle Costa disse...

Menino, inspiração em Chico Buarque????

Adorei... ousada, maliciosa, parece que a poesia tem um movimento, adorei! abração.

Luiza disse...

Perfeitamente belo.
Senti uma certa musialidade, aliás uma bela musicalidade. Antes de ser um poema, é uma música?

Texto gostoso de ler, ousado, malicioso e imaginativo. Você descreveu perfeitamente uma mulher em meio a um 'jogo' de sedução.
Adorei a descrição sobre o olhar, a jogadinha do cabelo, a dança...o charme por inteiro.
Muito bom mesmo!

Grande beijo =*

Anderson Dias, Ander, Andermaster disse...

Achei necessário fazer um comentário sobre esse post às mulheres:

"Fico deveras feliz que tenha gostado, nada melhor do que falar de quem encanta o coração do homem, a mulher é um presente abençoado de Deus para nós, elas nos tornam mais humanos, compreensíveis e sensíveis, vcs são maravilhosas!"

Bjos, paz e obrigado!

Jessica disse...

Achei seu blog (: e adorei.